CCB Hinos - Topicos de ensinamentos 2004 69 Assembleia

CCB Hinos - Congregação Cristã no Brasil

Quero Gravar Meu CD (dom da música)
Enviar Hinos, Tocatas e Fotos
Notícias e Artigos da Congregação
Coloque em seu site gratuítamente

O melhor site da CCB, milhares de CDS.
Mais rápido, mais seguro com mais hinos

Portal CCB Hinos Congregação



Abaixo a lista de ensinamentos da CCB Congregação Cristã no Brasil




Tópicos de ensinamentos 2004 - 69 - Assembléia



CONGREGAÇÃO CRISTÃ NO BRASIL

TÓPICOS DE ENSINAMENTOS

69ª ASSEMBLÉIA - 2004

69ª ASSEMBLÉIA - 2004 - RESUMO DE ENSINAMENTOS

SÃO PAULO - 07 A 11 DE ABRIL DE 2004

INICIARAM-SE ESTAS REUNIÕES EM NOME DO SENHOR JESUS

Atencão: Somente os tópicos a seguir, assinalados com aste­risco (*) deverão ser lidos nas congregações, perante a irmandade.

* 1 - SOBRE O "AMÉM" NOS CULTOS

Os irmãos ou irmãs que orarem e testemunharem nos cultos e os que pregarem a Palavra, não devem dizer, eles mesmos, o “amém” ao encerrar a oração, o testemunho ou a pregação. Devem esperar que a irmandade confirme com o “amém”.

Se o que está presidindo, ele mesmo for ler a Palavra, não é necessário que diga, novamente, “Deus seja louvado”, antes de iniciar a leitura.

* 2 - EXPRESSÕES INADEQUADAS NOS TESTEMUNHOS

Muitos irmãos, ao testemunhar dizem: “Deus me deu a felicidade de nascer de pais crentes”; “eu nasci na graça”; outros dizem: “eu não tive a felicidade de nascer de pais crentes”. Não é necessário dizer que quando nasceu seus pais já eram crentes; isto dá a impressão de um desnível entre a irmandade; essa distinção levanta um e humilha o outro. Tudo o que possa manifestar diferença, desnível, entre a irmandade, deve ser eliminado. No evangelho de São João vem dito que Jesus “veio para o que era seu, e os seus não o receberam. Mas, a todos quantos o receberam, deu lhes o poder de serem feitos filhos de Deus; aos que crêem no seu nome; os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do varão, mas de Deus.” O Senhor Jesus derrubou a parede da separação; são todos nascidos de Deus, sejam judeus, sejam gentios; sejam de pais crentes ou não; a Graça de Deus iguala a todos.

* 3 - SANTA CEIA - RECONCILIAÇÃO

Se algum irmão ou irmã cometeu uma falta grave diante de Deus, deverá falar primeiramente com o ministério, com alguns dias de antecedência, para saber se tem condições de se levantar perante a irmandade e pedir perdão. Outrossim, não é preciso esperar o dia da santa ceia para levantar e pedir perdão.

* 4 - SINDICATOS, ASSOCIAÇÕES DE CLASSE E ASSOCIAÇÕES DE MORADORES

Aconselhamos a irmandade a não participar da direção de sindicatos, associações de classe ou associações de moradores. A Congregação não se envolve em assuntos estranhos à doutrina. Se um irmão tiver que pertencer a um sindicato, poderá fazê-lo, porém, não deverá ocupar cargos de direção, uma vez que tais


cargos são sempre partidários, gerando divergências incompatíveis com o nosso sentimento de paz.

Da mesma forma, não devemos nos envolver em movimentos de protestos ou invasão de terras, quer na área urbana, pretendendo a posse de imóveis na cidade, quer na área rural, invadindo glebas de terras. Porém, se em alguma localidade o Governo fizer distribuição de imóveis e um irmão quiser se cadastrar para receber essa doação, não há inconveniente.

* 5 - SERVIÇO DIVINO NOS FUNERAIS - ÓSCULO SANTO

O serviço divino a ser feito nos funerais deve ser julgado de acordo com o momento. Iniciamos o serviço em Nome do Senhor Jesus, cantamos um hino (desde que a familia esteja de acordo que se cante) e oramos; pregamos a Palavra, fazemos a oração de agradecimento, cantamos mais um hino e encerramos o serviço.

Nos funerais os irmãos não devem saudar-se com o ósculo santo, devido à aglomeração de pessoas estranhas à nossa fé.

Em nossos cultos, sejam regulares ou de evangelização, tenhamos prudência a respeito do ósculo santo, com as pessoas novas que estão nos visitando.

* 6 - CONVITES DE AGÊNCIAS PARA VIAGENS AO EXTERIOR

Ultimamente muitos irmãos têm sido vitimas de agências de viagens que prometem trabalho e moradia em diversos paises, mediante o pagamento de uma certa quantia. Ocorre porém que, quando chegam a essas nações estrangeiras, os irmãos não encontram emprego, são obrigados a morar em condições precaríssimas, junto com estranhos à fé e forçados a aceitar uma documentação falsificada que pode sujeitá-los até à prisão. A irmandade deve ser advertida e alertada contra esse procedimento.

* 7 - BOMBARDÕES E INSTRUMENTOS DE SOPRO NAS ORQUESTRAS

Tem-se notado ultimamente um número excessivo de instrumentos de sopro, principalmente bombardões, em muitas de nossas orquestras. Onde já existe uma quantidade suficiente, o ministério local deve vigiar para que não ingressem mais essas categorias de instrumentos.

Ainda nessas localidades deve-se, também, exortar os irmãos que tocam bombardões, bem como demais instrumentos fortes de sopro, que reduzem à metade o volume de som de cada um, quando tocarem nos santos cultos.

Outrossim, quando um irmão demonstrar interesse em aprender a música para tocar na igreja é conveniente que consulte, primeiramente, o irmão encarregado para saber qual a categoria de instrumento que a orquestra mais necessita.

ATENCÃO: OS TÓPICOS A SEGUIR SÃO SÓ PARA O MINISTÉRIO

8 - "ANCIÃO DA MÚSICA"

Os anciães, em comunhão, deliberam que não haja mais o título de "ancião da música". Os que estão atendendo a parte musical vigiem sobre ela, sem que haja um domínio e estejam unidos ao ministério local e sujeitos aos anciães mais


velhos. Tudo deve depender do parecer dos mais antigos da região.

A presidência dos ensaios regionais deve ser feita por todos os anciães e não sempre pelo mesmo.

Aos anciães, diáconos e cooperadores que foram encarregados regionais não cabe mais a parte da regência nos ensaios.

9 - QUANTIDADE DE ORGANISTAS NAS IGREJAS

O número de irmãs estipulado, há muitos anos, para compor os rodízios, é de três organistas por dia de culto. Porém, em localidades onde houver necessidade esse número poderá ser acrescido, conforme deliberação dos anciães, submetendo o assunto previamente à consideração da reunião regional.

10 - ENCARREGADOS REGIONAIS E EXAMINADORAS

Já há alguns anos foi deliberado de não se colocar mais encarregados regionais e irmãs examinadoras, a não ser em casos excepcionais. Porém, aos poucos essa deliberação foi sendo esquecida e agora frequentemente apresenta-se para orar por novos encarregados regionais e novas examinadoras.

Doravante só se orará em caso excepcional, considerado previamente entre os anciães mais velhos, inclusive para julgar se há real necessidade e se o irmão (ou irmã) está preparado, se realmente tem condições para exercer esse cargo.

11 - O SANGUE NÃO É A ALMA DO HOMEM - A ALMA DO HOMEM É A VIDA. - (Tópico 43, de 1980)

O sangue é a alma dos animais. Por isso o Espírito Santo proibiu comer sangue ou comer a carne com o sangue dos animais. Mas, quanto ao homem, sua alma não é o sangue. Sua alma é a vida que ele tem no corpo. Alma: A Palavra de Deus às vezes se refere ao espírito, às vezes à alma, às vezes à vida e às vezes ao homem. Quando Deus fez o homem o fez de barro. O homem tinha sua imagem e não vida. Era inanimado, sem respiração, sem movimento, sem raciocínio. Era como uma estátua. Porém, o Senhor soprou nas suas narinas o fôlego da vida, o espírito imortal. E então o homem foi feito alma vivente - na junção do espírito com o corpo surgiu a vida, conforme está escrito: “E FORMOU O SENHOR DEUS O HOMEM DO PÓ DA TERRA, E SOPROU EM SEUS NARIZES O FÔLEGO DA VIDA; E O HOMEM FOI FEITO ALMA VIVENTE". (Gênesis 2:7) A alma é a vida. O homem, quando pecou, perdeu a vida, pois fora criado para viver eternamente. Mas teria domínio só nas coisas da terra. Nela viveria por todo o sempre. Seu paraíso era o terreno. Não entraria nos céus. O Senhor Jesus velo para nos dar um paraíso muito melhor onde governaremos e reinaremos sobre todas as coisas, junto a Deus Pai, com Ele, Jesus Cristo. O fim da fé é a salvação da alma (a salvação da vida). Quando o espírito sai do corpo, a vida desaparece deste. Quando o homem morre, rendendo o espírito, sai-lhe a vida do corpo. O corpo volta a ser inanimado, sem movimento, sem voz, sem respiração, sem raciocínio. Decompõe-se. O sangue paralisa dentro das veias, vira uma massa. Então, a alma não é o sangue. A alma é a vida. Carne e sangue não herdarão o reino de Deus. Mas nossa alma entrará na glória eterna, pois a alma é a vida. Jesus morreu para dar-nos a vida, para salvar a vida do homem. Após Jesus padecer sobre a cruz, expirou. Desceu ao túmulo por nós. Mas ao


terceiro dia ressuscitou triunfante e glorioso e saiu do túmulo vencendo a morte. Venceu tudo por nós. E vive para todo o sempre. Amém. Pela mesma semelhança na ressurreição corporal dos mortos, o nosso espírito se unirá outra vez ao nosso corpo, o qual será transformado para ser igual ao corpo de Jesus, trazendo assim a imagem de Cristo ­porque só aquela imagem é eterna. Da nova junção do espírito com o corpo transformado surgirá novamente a alma do homem, que viverá eternamente, subirá para a glória dos céus. Para estar com o Senhor por todo o sempre. Por isso está escrito: "E TODO O VOSSO ESPIRITO, E ALMA, E CORPO, SEJAM PLENAMENTE CONSERVADOS IRREPREENSÍVEIS PARA A VINDA DE NOSSO SENHOR JESUS CRISTO". Então, cumprido será o que vem dito: "TRAGADA FOI A MORTE NA VITÓRIA". O mundo também será ressuscitado porque a morte já foi abolida. O mundo terá a vida eterna também. Mas não com gozo e glória e sim para vergonha, desprezo e sofrimento eterno no fogo que nunca se apagará. Esta é a segunda morte. Como Cristo ressuscitou por todos, também todos voltarão. Os que fizeram a vontade do Senhor e creram n'Ele, terão parte na primeira rassurreição. Mas os outros mortos não farão parte desta primeira ressurreição. Ressuscitarão depois, para o dia do juizo e serão julgados cada um segundo as suas obras.

12 - CULTOS COM TRADUÇÃO PARA DEFICIENTES AUDITIVOS

Onde houver necessidade e tenha algum irmão ou irmã em condições de fazer a tradução para deficientes auditivos, o ministério da região considerará e poderá abrir a liberdade para a realização periódica desses cultos.

Quem fizer essa tradução não deverá subir ao púlpito e nem colocar-se defronte ao mesmo, em local de multa evidência, para não tirar a comunhão da irmandade.

13 - PRESIDÊNCIA DO CULTO

Ancião que congrega em outra localidade em visita, poderá presidir os cultos, desde que lhe seja oferecida a oportunidade pelo servo local e que se sinta movido por Deus. Os servos em missão presidem os santos serviços.

Outrossim, quando o servo de Deus não conhece uma pessoa, deve usar de franqueza e não ir entregando, de qualquer maneira, o lugar onde Deus o colocou. Dar oportunidade ou convidar para ler a Palavra, só deve ser feito a irmãos que conhecemos, quando formos por Deus guiados a fazê­-lo.

14 - MINISTÉRIO E ADMINISTRAÇÃO - ENTROSAMENTO

Deve haver um bom entrosamento entre o Ministério e a Administração em tudo o que concerne à parte material e administrativa da Obra de Deus. As deliberações devem ser tomadas em conjunto, nas reuniões, e não somente por um irmão. Há irmãos do ministério resolvendo tudo sozinhos, dando ordens e tomando atitudes que podem comprometer a Congregação.

Da mesma forma, nenhum administrador deve tomar medidas isoladas, sem o conhecimento e a concordância do ministério e dos demais administradores.

15 - PREGAÇÕES

Nota-se que, mesmo em batismos e santas ceias, alguns se preocupam mais


em pregar promessas e libertações, afastando-se do objetivo principal daquele santo serviço. Nos batismos deve ser mencionado e esclarecido o fundamento desse santo mandamento, conforme disse o Senhor Jesus: "Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda a criatura. Quem crer e for batizado será salvo; mas quem não crer será condenado." Portanto, a finalidade principal do batismo é o perdão dos pecados e a salvação da alma. Depois, vêm os sinais que confirmam e acompanham os que crerem.

Nas santas ceias é necessário explicar o fundamento dessa santa celebração, conforme consta nos evangelhos: "E, quando comiam, Jesus tomou o pão, e, abençoando-o, o partiu, e o deu aos discípulos, e disse: Tomai, comei, isto é o meu corpo. E, tomando o cálice, e dando graças, deu-lho, dizendo: Bebei dele todos; Porque isto é o meu sangue, o sangue do Novo Testamento, que é derramado por muitos, para remissão dos pecados." (São Mateus, 26:26-28).

Nos funerais deve-se falar sobre a ressurreição e a esperança da vida eterna, pois há os que pregam e falam pouco sobre essa parte.

Os que pregam devem se ater àquilo que foi lido. Todas as pregações devem ser edificadas sobre o alicerce do que foi lido.

16 - BATISMOS

Anciães que atendem batismos não devem forçar as pessoas a se batizarem, com insistências ou ameaças. As pessoas deverão ser batizadas quando estiverem convertidas por Deus.

Lembramos que as palavras para batizar as pessoas devem ser: "Irmão, Em Nome de Jesus Cristo te batizo, Em Nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo".

17 - PESQUISAS SOBRE A CONGREGAÇÃO

Irmãos do ministério, da Administração, comodatários ou porteiros, recebendo formulários de pesquisa sobre a Congregação (desde que não sejam de órgãos governamentais), não deverão responder.

18 - LEITURA DOS TÓPICOS NAS CONGREGACOES

Nas congregações onde não há ancião, o cooperador poderá ler os tópicos de ensinamentos para a irmandade. Quando algum cooperador tiver dúvida ou não tiver franqueza suficiente, poderá pedir ao ancião da região para ler.

19 - CASAMENTO DE SERVOS VIÚVOS COM IRMÃS DIVORCIADAS

O Conselho de Anciães delibera que, irmãos do ministério que enviuvarem e desejarem casar com irmãs divorciadas, deverão previamente submeter o assunto à consideração do ministério da região que deliberará, segundo a guia de Deus.

20 - ESTATUTO DA CONGREGAÇÃO - REFORMA

Cada Administração deverá aguardar o envio, pela Administração São Paulo, do novo Estatuto devidamente aprovado e registrado. Após, deverá ser convocada uma Assembléia Geral Extraordinária em cada localidade, para sua ratificação e posterior registro no órgão competente.

21 - ADMINISTRAÇÕES NOVAS

Antes de se constituir uma nova Administração deverá ser considerada a sua real necessidade, levando-se em conta, principalmente, os ônus financeiros, as dificuldades burocráticas, obtenção de CNPJ, e também: a) o valor das coletas; b) o número de irmandade; c) se há irmãos aptos para constituir a Administração e o Conselho Fiscal, com situação regular perante a Receita Federal, especialmente comerciantes, oriundos de outras localidades, etc.; d) se há local apropriado para a instalação dos trabalhos administrativos, arquivo, segurança, etc.; e) a distância dos órgãos governamentais para registro de documentos e fiscalização (Cartório, Receita Federal, INSS, CREA, etc.); f) a distância da Administração descentralizadora, que deverá assessorá-la por três anos.

Deverá ser remetido à Administração São Paulo o questionário próprio, com informações da constituição da Administração, para fins de cadastro.

Enquanto não estiver consolidada a reforma estatutária não deverão ser constituídas novas Administrações.

22 - CONSELHO FISCAL - CONDIÇÕES FACE AO NOVO CÓDIGO CIVIL

Em obediência à legislação pertinente não deverão ser colocados no Conselho Fiscal irmãos que sejam parentes até o terceiro grau de Administradores (pais, filhos, netos, avós, irmãos, tios, sobrinhos, sogro, genro e cunhados).

As situações já existentes deverão ser, aos poucos e na medida do possivel, adequadas a essas exigências legais.

TÓPICOS DO MINISTÉRIO DA OBRA DA PIEDADE

1 - DOAÇÕES

As doações de bens ou mercadorias, etc. para a Obra da Piedade devem ser feitas em conformidade com as leis vigentes, pois é necessário que sejam acompanhadas com documentos que comprovem a sua origem, com notas fiscais em nome do comprador e devidamente quitadas com declaração da doação no verso, assinada pelo doador; todavia, não há necessidade dessa exigência caso as doações sejam de roupas, calçados, móveis ou outros materiais usados.

Não podemos fazer carta de pedido de doações a nenhuma entidade, porém, caso sejam feitas doações para a Obra da Piedade, podemos aceitar e emitir uma carta de agradecimento.

2 - OFERTAS E COLETAS

De acordo com a Resolução n° 877, de 18/04/2000 do Conselho Federal de Contabilidade, as receitas e despesas das entidades sem fins lucrativos devem ser segregadas, ou seja, somente podem ser utilizadas para o fim a que se destinam.

Todas as ofertas e coletas devem ser registradas nas colunas indicadas no livro de coletas. Em nenhuma hipótese deixar de registrar alguma coleta com a finalidade de quitar algum pagamento, pois esse procedimento é considerado como sonegação de receita e passível de comprometer a imunidade da Congregação.

3 - CADASTRAMENTO DAS IRMÃS DA OBRA DA PIEDADE

Em obediência a obrigações legais é necessário o cadastramento das irmãs da Obra da Piedade, tendo em vista a necessidade de suas assinaturas nos envelopes de atendimento.

4 - PORTEIROS E AUXILIARES PARA ESCRITURAÇÃO

Os Diáconos, de comum acordo com o ministério (Ancião e Cooperador), devem providenciar a colocação de porteiros e auxiliares para escrituração do livro de coletas e preenchimento do balancete em sua comum congregação e naquelas que atende. Compete ao Ministério apresentá-lo à irmandade. Os irmãos que registram as coletas e preenchem os balancetes, etc., são titulados auxiliares de escrituração.

Os Diáconos devem acompanhar o recebimento de coletas, registro, depósitos bancários que são encaminhados à Administração, conforme determina o nosso Estatuto.

5 - REUNIÃO DE ENSINAMENTOS DA OBRA DA PIEDADE

Em caso de solicitação por outra cidade para um Diácono atender a reunião de ensinamentos, aquele que Deus confirmar é responsável pelo atendimento, mesmo sendo mais novo no ministério do que o da localidade.

Após a exortação da Palavra, o Diácono mais antigo da localidade deve ser honrado levantando-se e apresentando o irmão que foi designado para atender a reunião.

Estas reuniões não devem ser prolongadas. Conforme ensinamentos anteriores deverão estar presentes o Ministério, a Administração local, as irmãs da Obra da Piedade e as que trabalham nos almoxarifados.

6 - REUNIÃO DE ATENDIMENTOS DA OBRA DA PIEDADE

Os atendimentos devem ser guiados por Deus, não pode haver atendimentos forçados, nos casos que Deus não confirmou.

Conforme ensinamentos anteriores, estas reuniões não podem ser realizadas à noite, devidos aos riscos e perigos, principalmente com relação às irmãs.

Nesta reunião é necessária comunhão e revelação de Deus, procurando evitar-se muitas perguntas às irmãs da Obra da Piedade. Caso as fichas não estejam corretamente preenchidas ou com falta de dados, procurar ensinar às irmãs a forma correta. Não é necessário que as irmãs aguardem até o término da reunião, ficando livres para se retirar.

7 - VIAGENS MISSIONÁRIAS - DIÁCONOS

Estas viagens são de responsabilidade dos Diáconos mais antigos no ministério, que deverão ser acompanhados por outro mais novo, para que possa adquirir conhecimento e experiência.

Caso não haja possibilidade do Diácono mais antigo viajar, deverá indicar outro para ir em seu lugar, apresentando em reunião ministerial para ser orado.

8 - REMESSA PARA ATENDIMENTO DE NECESSIDADES

Por exigência legal, doravante toda a localidade que receber remessa de numerário para atendimento de necessidades da região, deverá acusar o recebimento, remetendo toda documentação relativa à saída do dinheiro, tais como: relação dos atendimentos, 2ª via ou xerox das notas fiscais de compras e cópia do balancete modelo C-9, devidamente assinado pelos Diáconos.

9 - DESPESAS DE ASSEMBLÉIA E DIVERSOS

Em todas as localidades onde se realizam as reuniões gerais anuais de ensinamentos (assembléias) deve ser providenciada a coleta para o custeio de todas as despesas tais como: cozinha, manutenção onde se realizam as reuniões, e o atendimento de algumas viagens de irmãos sem recursos.

Essa coleta deverá ser feita com antecedência mínima de dois meses em toda a região cujos irmãos irão participar das reuniões, e deve ser encaminhada à Administração, que deverá contabilizar todo o dinheiro e transferi-lo aos Diáconos.

10 - RESPONSABILIDADE NO ATENDIMENTO DAS ASSEMBLÉIAS

A organização das cozinhas, as compras e eventuais atendimentos aos irmãos para o retorno de suas viagens, é de responsabilidade dos Diáconos, que deverão contabilizar todas as despesas e receitas e fornecer relatório à Administração.

Caso haja sobra de recursos proveniente dessa coleta, deve-se ajudar nas despesas das reuniões do Estado que não tem condições financeiras suficientes, ou agregar essa sobra para o atendimento das reuniões gerais do setor.
INDIQUE O CCB HINOS PARA NOSSOS IRMÃOS, AMIGOS E TESTEMUNHADOS
   
Seu Nome:
Seu Email:
Pessoa indicada (nome):
Pessoa indicada (email):
Digite uma mensagem para seu amigo:
 
         


Sistema para Imobiliária

*Site não vinculado com a entidade Congregação Cristã no Brasil.

Desenvolvido por KUROLE